Entrevista com Victor Damião

Entrevista com Victor Damião

Victor Damião – Presidente da Adega de Cantanhede

Quais os principais momentos de 2017 da Adega no que respeita ao mercado vínico?
O ano 2017 foi um ano que, à imagem do percurso recente da Adega de Cantanhede, ficou marcado por várias conquistas e algumas novidades. Ao nível do reconhecimento, fomos galardoados como Melhor Adega Cooperativa no decénio 2007-2017 pela Revista Paixão pelo Vinho, e o nosso Enólogo Consultor, Osvaldo Amado, galardoado como Enólogo de Mérito. Os nossos vinhos receberam 81 Medalhas. Ao nível do portfólio o enriquecimento da nossa gama de espumantes com o MARQUÊS DE MARIALVA Bical & Arinto Reserva 2014, foi uma novidade muito bem acolhida pela crítica da especialidade e pelos consumidores.

Qual tem sido a performance das diferentes marcas do portefólio da Adega de Cantanhede? Quais as marcas com maior tendência a crescer?
A nossa marca estandarte e embaixadora dos nossos produtos de melhor qualidade é a marca MARQUÊS DE MARIALVA, que vem sendo, desde há vários anos, a marca líder de mercado em vendas de vinhos Bairrada DOC. Não falando em marcas mas em categorias, a maior tendência de crescimento está claramente nos espumantes, onde a Bairrada e a ADEGA DE CANTANHEDE em particular tem grande qualidade e tradição.

Quais as perspetivas de crescimento em 2018?
O ano de 2017 foi um ano de crescimento, em que atingimos um volume de vendas record, próximo dos 5 500 M, registando uma evolução acima da performance da fileira do vinho, na qual, genericamente, os resultados foram positivos, tanto no mercado interno como no externo. Isto cria um contexto muito animador para 2018, pelo que esperamos reforçar o crescimento em todos os mercados onde operamos.

 

AS CONFIDÊNCIAS DE VICTOR DAMIÃO

Que filme escolheria para acompanhar um bom vinho da sua casa?
- Dr Jivago (Omar Sharif e Julie Christie)
Magnífica história de amor, no meio da Revolução Russa e da neve numa brancura infinita, com uma música de fundo de uma melodia quase arrepiante.
- Os Canhões de Navarone (Gregory Peck,Anthony Quinn,David Niven)
Na 2ª Guerra Mundial uma missão quase impossível, atacar e destruir uma base militar alemã com armamento sofisticado e muito perigoso , numa ilha grega, práticamente inacessível. Ousadia, Coragem, Determinação e Objectivo de vitória concretizado.

O melhor livro que já leu?
- O Velho e o Mar (Ernest Hemingway)
Na Cuba do início dos anos 50, uma história de um velho solitário pescador e da sua luta no alto mar, para pescar e trazer um espadarte gigante ao seu pequeno barco.
Grande simplicidade narrativa quase poética, onde ressalta a natureza, a sorte, o destino e a importância da perseverança e o… mar, mar, mar, … de que tanto gosto!
- Pela Estrada Fora (Jack Kerouack)
Uma viagem louca atravessando a América e o México, cuja leitura me marcou na juventude (excepto as partes das experiências psicadélicas…) e me levou à vontade de viajar sem planos prévios e que concretizei numa auto-caravana, vários anos, muitas vezes, por Portugal, toda a Europa e Marrocos.

Mote de vida?
Viver bem a vida, com inteligência, saber ouvir sempre os outros, mas tirando a própria conclusão, ter boa relação com toda a gente e criar amizades duradouras e procurar felicidade no dia a dia.